top of page
Buscar
  • Foto do escritorDaniel Maia

Eu não consigo respirar

A frase que dá título a essa coluna foi dita por George Floyd, um afro-americano que ao ser preso pela polícia de Minneapolis, no Estados Unidos, foi morto pelo policial que o estrangulava enquanto o mantinha imobilizado.


Logo após a morte de Floyd os protestos, embalados pela frase que virou jargão dos manifestantes e por pessoas se ajoelhando e deitando ao imitar a posição em que ele foi morto, se espalharam pelo mundo. Nos Estados unidos foram em grande parte violentos, contando com saques ao comércio, incêndio de viaturas e agressões a policiais, alguns dos quais, também nesse mesmo contexto, cometeram outras agressões contra os manifestantes.


A questão que se coloca aqui não é simplesmente o racismo ou a intolerância racial, nem tampouco os métodos equivocados e, por vezes, bárbaros que a polícia utiliza contra pessoas negras, mas sim como esse é um trauma insuperável na história da humanidade, em especial do Estados Unidos.


Tem-se que desde a cruenta Guerra de Secessão, que durou de 1861 a 1865, em que as tropas do Norte dos EUA duelam contra as do Sul, tendo como fundamento maior da batalha a questão do fim da escravidão, o país não conseguiu se livrar do rancor que essa guerra deixou.


Assim, se antes da Guerra de Secessão o preconceito e a intolerância racial se davam com fundamento na própria escravidão, em um ciclo eterno e retroalimentado de violência e submissão de negros aos brancos, após o confronto a tão sonhada, por Abraham Lincoln, unificação da nação, ocorreu em muito segmentos, menos no que diz respeito à tolerância racial.


De lá para cá diversos episódios de violência racial marcaram como cicatrizes o povo norte-americano. Martin Luter King a inumeráveis desconhecidos, como George Floyd, até mesmo ídolos do Esporte como o ex-jogador de futebol americano O.J. Simpson estiveram no centro de casos envolvendo a questão racial na antiga colônia inglesa.


Na história recente norte-americana houve alguns lampejos de esperança de tornar o país um pouco menos intolerante, sendo o maior deles a eleição de Barack Obama, em 2008 e 2012. O popular primeiro Presidente negro da história dos Estados Unidos até que tentou, com seu carisma e com o seu discurso de “Yés, we can!” (Sim, nó podemos!) diminuir o fosso entre as raças, mas não, ele não pôde.


Assim, a história mostra-nos que o triste episódio da morte de George Floyd certamente não será o último a acontecer nas terras do Tio Sun, mas pelo menos terá o condão de nos lembrar que se não curarmos os traumas que assombram o passado de uma nação, ela terá um futuro torturante, sem respirar o ar da igualdade e fraternidade entre os seus. Que não esqueçamos disso.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

NINGUÉM AGUENTA MAIS LIGACÕES DE 0303...

Ninguém aguenta mais receber ligações de números de telefone que começam com 0303. Claro que essa afirmação não é absoluta e nem possui uma fonte exata, mas reflete, sem dúvidas um sentimento geral da

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL X BURRICE NATURAL

Muito tem se falado sobre ChatGPT e outras inteligências artificiais que prometem revolucionar vários aspectos da vida humana, seja no trabalho, em decisões e processos judiciais, em procedimentos méd

NÃO FAÇA NEGÓCIO SÓ DE BOCA.

Já ouviram falar alguns ditados populares como: “Quem empresta não presta” ou “Quem empresta dinheiro para amigo acaba perdendo os dois, o dinheiro e o amigo”? Pois é, tais ditados trazem a sabedoria

Comments


bottom of page